Cirurgias

• Cirurgia Refrativa

A Cirurgia Refrativa é um procedimento considerado simples, que dispensa a necessidade de internação. A cirurgia é feita através de um equipamento chamado Excimer Laser utilizando luz ultravioleta para remodelar suavemente a superfície da córnea modificando sua curvatura para corrigir os erros refrativos, como a Miopia, a Hipermetropia, o Astigmatismo e a Presbiopia.

Hoje contamos com várias técnicas cirúrgicas:

PRK (Ceratectomia Fotorrefrativa): No PRK é feita uma raspagem para remover o epitélio da córnea (camada mais externa do tecido corneano) para após ser feita a aplicação do laser. Terminado o procedimento, uma lente de contato terapêutica é colocada diante à superfície corneana para promover a cicatrização e o alívio do desconforto nos primeiros dias do pós-operatório.

LASIK (Laser Assisted In Situ Keratomileusis): No LASIK cria-se primeiramente um flap na camada mais externa da córnea (epitélio) para após ser feita a aplicação do laser na sua camada mais interna, terminada a aplicação o flap é reposicionado.

INTRALASE O método Intralase é muito similar ao Lasik, porém não utiliza lâmina para a criação do flap corneano, sendo assim, é mais seguro e menos invasivo.

PRESBILASIK: A presbiopia é definida como a perda da amplitude de acomodação relacionada à idade, ocasionando a dificuldade visual para perto. A correção da presbiopia normalmente se faz com o uso de óculos unifocais, bifocais, multifocais ou lentes de contato. Embora satisfatório do ponto de vista oftalmológico, o uso de auxílios ópticos é percebido como algo indesejável para a maioria dos pacientes, especialmente para os emétropes, aqueles que ao longo da vida nunca precisou de uma correção óptica e estão desabituados a tal uso. Atualmente já existem programas que permitem ao Excimer Laser obter mudanças na curvatura da córnea criando aberrações asféricas e que resultam em mudança na profundidade do foco. Com isto ocorre uma redução ou em alguns casos até eliminação dos sintomas da presbiopia. O recurso tem resultado bom desde que o caso seja bem selecionado pelo oftalmologista com critérios, pois, de acordo com as características, alguns casos não são aptos a receber este tipo de correção.